Nova granja de suínos Copercampos recebe primeiras matrizes

Unidade construída em Santa Cecília produzirá animais para a Agroceres PIC. Toda automatizada, granja conta com tecnologia de ponta para o manejo dos animais. Agregação de valor é o diferencial.

 

Fiel a seu espírito empreendedor e atenta ao potencial da suinocultura para geração de renda a seus associados, a Copercampos acaba de inaugurar sua nova e moderna Granja Núcleo Filial de Rebanho Fechado para multiplicação de material genético da Agroceres PIC.

Construída dentro dos mais modernos padrões ambientais, de segurança sanitária e bem-estar animal, o novo Núcleo Genético, instalado no município de Santa Cecília (SC), vai alojar 1.500 fêmeas. Uma das unidades suinícolas mais modernas do País, a nova granja da Copercampos entrou em operação no mês de julho, com a chegada das primeiras fêmeas, parte destas vindas da Granja Núcleo Genético da PIC, nos Estados Unidos.

Todos os processos produtivos são automatizados em instalações climatizadas e projetadas para atender às atuais legislações internacionais de bem-estar animal. A unidade irá operar como Núcleo-Filial de Rebanho Fechado, com plantéis internos de avós e bisavós para autorreposição do plantel. O rebanho será geneticamente monitorado pelo exclusivo programa PICTraq onde será estabelecido as prioridades para inseminações e recomendações de descartes.

“Trata-se se uma das granjas mais modernas da América Latina, com tecnologia de ponta e uma estrutura robusta, que vai permitir a Copercampos produzir animal de altíssimo potencial genético, de maneira eficiente e com extrema qualidade”, afirma Nevton Brun, gerente de Produção da Agroceres PIC. “É um orgulho muito grande para nós da Agroceres PIC sermos parceiros desse projeto”, completa.   

 

Foco máximo no bem-estar animal

 

De acordo com o Gerente Agroindustrial da Copercampos, Lúcio Marsal Rosa de Almeida, no sítio 1 serão alojadas matrizes tanto para produção de machos para a Agroceres PIC, quanto de bisavós – a linha pura de animais – para a empresa parceira. A expectativa é que durante um ano sejam produzidos 9 mil machos/ano e 11.600 fêmeas da linha pura/ano.

Além desta produção, a Copercampos contará na unidade com o sítio 2, onde acontecerá a engorda de animais para abate, ou seja, os animais desmamados produzidos na granja e que não serão destinados à Agroceres PIC, são encaminhados ao sítio 2 onde será feito o processo de terminação. Nesse processo, a Copercampos estima produzir 20.600 animais/ano.

“É uma granja totalmente automatizada e climatizada. Os galpões têm uma estrutura totalmente diferentes das nossas outras granjas e o processo de produção é visando o bem-estar animal. As fêmeas ficam todas soltas no galpão de gestação e o processo de alimentação é por meio de um equipamento vindo da Holanda que consegue aferir se o animal está doente, se está no cio e a quantidade de alimentação para cada matriz, ou seja, se reduz consideravelmente a mão de obra, manejo em si, diminui custos dentro da granja e com este modelo de instalação de alto padrão, a produção e qualidade dos animais é bem maior”, informa Lúcio.

A unidade destinada a produção de material genético para a parceira da Copercampos produzirá linhas puras de animais. Lucio ressaltou que a localização da granja está associada e este processo. “Nós buscamos um local onde não existem granjas próximas, porque esta é considerada uma granja limpa destinada à produção de material genético”, ressaltou. Lúcio informou ainda que o responsável pela nova granja de suínos da Copercampos é o técnico em agropecuária, Rafael Lazari.

Com o sistema de produção de animais soltos, há um menor estresse dos animais, informou ainda Lúcio. "Nós visitamos granjas com este modelo de produção, granjas automatizadas, e visualizamos animais com menor estresse, que produzem melhor e possibilitam uma rentabilidade maior à empresa. A Granja de Santa Cecília foi construída para agregar valor à produção e possibilitar um incremento na atividade de suinocultura da Copercampos”, afirmou o gerente agroindustrial da Copercampos.

A unidade conta com 15 mil m² de área construída nos dois sítios. A granja tem um espaço de 80 hectares, com áreas de mata nativa e também com reflorestamento.

 

Novo sistema de engorda

 

Com o sistema denominado wean-to-finish (WF), a Copercampos terá nesta Granja de Santa Cecília novos processos na engorda de animais destinados ao abate. O WF é um sistema de produção de suínos desenvolvido nos Estados Unidos na década de 90 que consiste na eliminação da fase de creche dentro do sistema de produção convencional. No WF os animais são desmamados e alojados em um galpão onde permanecem até o abate.

“É um sistema completamente diferente, estamos aprendendo a trabalhar, é um novo desafio para nós, mas temos conhecimento do processo que tem o objetivo de melhorar a produção, reduzindo o trabalho de transferência de animais e também auxilia no status sanitário deste plantel, diminuindo também o potencial de mortalidade”, explicou Lúcio.

Além da produção em WF, a Copercampos ainda estuda a comercialização de leitões ao mercado externo ou a destinação para o serviço de terminação dos associados. Segundo Lúcio, como a produção será maior do que a capacidade de terminação do sítio 2, existem essas duas possibilidades de comercializar a produção de suínos excedente.

 

Agregação de valor na suinocultura

 

Para o Presidente da Copercampos, Luiz Carlos Chiocca, a agregação de valor à produção de suínos é diferenciada na unidade. “Nós fizemos essa granja porque estamos buscando rentabilidade e agregação de valor aos produtos da Copercampos e esta granja vai agregar valor em cima do preço dos produtos oriundos desta unidade em uma média de 15% a mais do que outros animais produzidos, então já há uma grande perspectiva de resultado. Nós focamos nesta agregação de valor em cima da suinocultura e essa unidade contempla essa ação”, ressaltou Chiocca. O presidente lembrou que a tecnologia e automação da unidade são focadas em bem-estar animal, atendendo o mercado externo com excelência. Com informações da Copercampos.