A qualidade que garante mercado e atrai consumidor

Pelo 8º ano consecutivo, Agroceres Multimix leva informação e orientação técnica de qualidade a grandes pecuaristas

Nos dias 23 e 24 de março, a pecuária nacional ganhou o destaque que merece. Agroceres Multimix promoveu mais uma edição do já tradicional Seminário Confinatto em Ribeirão Preto-SP, evento consolidado como um dos mais importantes para os pecuaristas do Brasil.

Atendendo ao tema: “Os grandes desafios de mercado e produção”, a programação incluía nomes de grande influência na cadeia de produção da carne bovina, especialistas que tiveram a missão de falar dos impactos nos investimentos em qualidade e tecnologia para a obtenção de mercado.

No primeiro dia do evento, o sócio e coordenador da divisão pecuária da Agroconsult, Maurício Nogueira, ficou encarregado de mediar uma mesa redonda de alta categoria. O debate contou com a participação de Fábio Dias, diretor de relacionamento com o pecuarista da JBS e Leonardo Alencar, gerente executivo de inteligência de mercado da Minerva Foods, ambos representando o setor frigorífico e; Flávio Dutra de Resende, pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA).

Durante a mesa redonda, os convidados tiveram a oportunidade de saber um pouco mais sobre a exigência dos frigoríficos e todo o processo que envolve a obtenção de uma carcaça ideal, capaz de valorizar cada corte da carne bovina. “Hoje já estamos conseguindo evoluir na questão de acabamento, nosso desafio é buscar o mesmo avanço na redução da idade de abate e, para isso, o pecuarista precisa voltar os olhos para a recria”, afirmou Fábio Dias. Para Leonardo Alencar, um dos grandes problemas no curral do frigorífico é a falta de padronização dos lotes, que não permite a abertura de novos contratos, uma vez que não se tem previsibilidade de produção.

Ainda, para orientar os produtores a produzir tal animal - ideal para abate -, o pesquisador da APTA contribuiu com todo seu conhecimento sobre produção, manejo e nutrição. “Precisamos ter em mente que o animal deve apresentar um GMD em torno de 0,250 a 0,300 kg/dia, para pagar somente os custos da reposição e pasto, o que muda toda nossa forma de avaliar o sistema ”, conclui Resende.

Depois de muita conversa, Marcelo Salim, professor da Fundação Dom Cabral apresentou a palestra: “Qualidade, gestão e tecnologia, andam juntas”, alertando os pecuaristas presentes que inovação e tecnologia, integradas ao sistema de produção, promovem uma ótima diferenciação competitiva, importante para a sobrevivência das empresas. E partindo desse princípio, Anna Paula Roth, nutricionista da área de bovinos de corte da Agroceres Multimix, apresentou mais uma novidade que a empresa oferece aos clientes, um software dinâmico que auxilia o produtor a mensurar os resultados da fazenda. Mais uma ferramenta que reforça o conceito da empresa de ser Muito Mais que Nutrição.

Para encerrar o primeiro dia do Seminário, foi servido um delicioso churrasco assinado pela Vila Beef e o tradicional chopp do Pinguim de Ribeirão Preto. Momento importante para estender os assuntos abordados nas palestras, fortalecer o networking e também para descontração.

No segundo e último dia de Seminário Confinatto, o pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), Gustavo Rezende Siqueira, abordou o tema: “Como produzir a carne que queremos vender” e logo no início desafiou os pecuaristas a pensarem diferente esta proposta. “Como produzir a carne que eu quero comprar”, seria, portanto, o assunto ideal a ser debatido no momento. “Não basta ofertar um produto que atenda as exigências básicas do mercado, precisamos nos preocupar em produzir aquela carne que queremos encontrar no supermercado, pela qual estamos dispostos a pagar o verdadeiro preço que ela vale”, salienta.

“Bem-estar animal em prol da qualidade e de novos mercados”, foi o tema da palestra de Mateus Paranhos, professor adjunto da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, UNESP, Campus Jaboticabal. “O bem-estar animal não é uma exigência só nossa. Vários países possuem requisitos extremamente rigorosos quanto a este assunto e isso, com certeza, define a obtenção de mercado. Portanto, o bem-estar animal deve ser um assunto presente, diariamente, na cabeça do produtor”, explica Paranhos.

Para fechar o evento, a Agroceres Multimix trouxe um conhecimento de casa para coroar o evento. Matheus Moretti, gestor técnico da área de bovinos de corte e; Neimar Urzedo, gerente regional de vendas da região do Mato Grosso, abordaram assuntos importantes e que condizem diretamente com a realidade do produtor. Embora o evento tenha foco na produção de gado em confinamento, os especialistas descreveram a eficiência da TIP (Terminação Intensiva a Pasto), sistema que nasceu dentro da empresa - mais precisamente no Mato Grosso, em 2002 -, e que tem mostrado grande evolução, tornando-se uma estratégia valiosa para a criação de gado de corte. “Temos conseguidos ótimos resultados no campo com a TIP, o que precisamos repensar é a forma que avaliamos o ganho dos animais, nesse caso, o foco deve ser o ganho em carcaça ”, salienta Moretti.

Dois dias para mudar de fato a pecuária nacional. A partir do Seminário Confinatto, os grandes produtores presentes levaram para suas fazendas mais conhecimento e informações capazes de transformar a realidade do mercado, visando sempre produtos de qualidade invejável e mostrando para o Brasil e para o mundo, que somos produtores de uma carne de qualidade e saudável, a verdadeira carne forte.